A FESTA MUDOU, MAS É JUNINA

 

Gosto de chuva lá fora
Junho chegou é festa, aceita
Dançar forró, comer canjica,
Juntar a família e festejar a colheita

Fogueira acesa na rua
Fumaça subindo no Sertão
Assar o milho sem a palha
Pamonha pronta é de coração

Luar junino, cheio de graça
Zabumba fervendo no terreiro
Sanfona na gíria é arretada
Triângulo nunca fez feio

Acenda o estralo
Vai zunindo na estrada
A explosão é certa
Bomm é zuada

Muita gente gosta
Mas a fumaça entristece
Afeta o meio ambiente
A alergia aparece

O estralo da alegria
Faz bebé, é agonia
Incomoda tanto a gente
E até o pet fica descontente

A Pandemia mudou o mundo
Mudou até o jeito junino
Nada de dança fora de casa
Não pode deixar a máscara caindo

Álcool gel sem fogueira
É só pra fazer limpeza
Afastar os maus agouros
De um vírus que é só tristeza

O mundo muda, e a gente?
Tá mais tolerante,
Ouve opinião?
Este ano a colheita é de mais compreensão

Chuva lá fora é ótimo
Que seja chuva de bênçãos
Mais empatia, mais oração
O mundo muda de tempo
É tempo de São João

Ainda tem canjica, pamonha,
Milho assado, quentão
A fogueira é simbologia
Os santos entenderão
Mantenha a saúde e um tanto da tradição

Dance, cante, em segurança
O mundo vai mudar de novo
Tenha perseverança.

Minha rima vem de criança
A fumaça sempre incomodou
As bombas então, nunca tive confiança
Piorou quando o tempo passou.

A crença continua
Santo Antônio, são João e são Pedro
Um trio organizado
É festa junina com forró afinado.

 

Texto e fotos: Tony Medeiros